Johnny Depp Forever
A sua fonte de informações sobre o ator e músico Johnny Depp
Tradução da revista Entertainment Weekly – Parte II
Maio 4, 2012

Leia a Parte I aqui.

O filme “Sombras da Noite” começou como uma idéia de Depp, e ele recrutou Burton quando eles estavam fazendo “Sweeney Todd – O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet”, embora para a maioria de sua relação de trabalho tem sido Burton quem pressionou para Depp estrelar seus filmes. Sem isso, Depp diz que ele estaria Deus sabe onde agora. “Toda vez que ele quis me colocar em um filme, ele teve que lutar por mim para chegar lá. Os estúdios não me queriam. Eu não estava em sua lista”, relembra Depp. Depois que o primeiro “Piratas do Caribe” fez-lhe um autêntico alavancador de bilheterias, Burton já não teve que lutar. Foi nessa época que o diretor queria recomendar Depp para “A Fantástica de Chocolate Fábrica”, “mas ele nem sequer chegou a isso”, diz Depp. “O estúdio sugeriu primeiro”.

Enquanto Depp fala afetuosamente de seu passado, Burton tem uma atitude mais auto-depreciativa. “Nós não vestimos nossa camisa ‘Este É o Nosso Oitavo Filme Juntos!’ todos os dias”, diz o diretor. O vínculo que eles compartilham é apenas uma fascinação com o que é considerado anormal. Ambos estão obcecados com párias, embora neste momento os dois estejam longe de ser isso. “Uma vez que você se sentiu assim em sua vida, você sempre se sente assim”, diz Burton. “Não importa o que acontece com você. Você pode ter uma família, você pode ter sucesso, mas você sempre se sente desse jeito”.

Os cinéfilos estão claramente relacionados. “Todo mundo parece-lhe grato, particularmente os jovens”, diz Bonham Carter de Burton. “Ele entende a separação de todos e o isolamento, aquela sensação de que você não se adequa ou que você é diferente”. Mas mesmo perto dela, ela acrescenta, ele é “criativamente um monge”, que tende à introspecção. Depp é simplesmente uma das poucas pessoas na Terra que podem transformar Burton em alguém extrovertido. Clique para continuar lendo >>>

“Quando eles não estão filmando, não há uma grande quantidade de telefonemas e e-mails”, diz Richard Zanuck, que produziu seis filmes de Burton, quatro deles estrelados por Depp. “Eles não falam mais que algumas vezes por semana”. No set, no entanto, Zanuck os descreve como “duas crianças do ensino médio dando risadinhas pelos cantos, contando piadas de peido”. Bonham Carter acrescenta, “Nenhum de nós entende as suas piadas, mas eles têm suas piadas, e, se eles estão rindo, que seja”.

Talvez porque sabem como é se sentir deixado de fora, Depp e Burton são bons em fazer os outros se sintam inclusos quando se juntam à equipe. Em “Sombras da Noite”, um dos novatos foi o roteirista Seth Grahame-Smith, o autor do best-seller “Orgulho e Preconceito e Zumbis” (“Pride and Prejudice and Zombies”) e do recém-publicado “Night Unholy”. “Eles nunca fazem você se sentir como se fosse o cara novo, e eu estava apavorado”, diz Grahame-Smith. “Tenho lembranças muito claras de minha mãe me deixar sair em uma noite fria de inverno, em Connecticut, para ir ver “Edward Mãos de Tesoura”, mas você tenta empurrar esse sentimento de admiração para o fundo de seu cérebro”.

Quando Grahame-Smith foi trazido, Depp e Burton já tinham um primeiro rascunho do roteiro de John August (que escreveu “A Fantástica Fábrica de Chocolate”, “Peixe Grande” e “A Noiva Cadáver”). Mas Depp queria que a história fosse ainda mais estranha. Na época, Burton estava produzindo uma adaptação cinematográfica da história de horror baseada no livro de Grahame-Smith, “Abraham Lincoln: Caçador de Vampiros”, e sugeriu o jovem romancista para uma reescrita de “Sombras da Noite”. “Nós nos reunimos, nós três, e as faíscas voaram no nosso primeiro encontro”, diz Depp. “Uma idéia deu à luz uma outra, e ela começou a crescer e expandir. Estávamos todos pensando de maneira semelhante”.

Essa primeira reunião aconteceu em 2010 em um sombrio jantar à luz de velas na casa alugada por Depp em Londres, depois que o ator terminou uma noite de filmagens em “Piratas do Caribe – em Navegando Águas Misteriosas”. Houve alguns pontos do enredo da série de TV original que simplesmente tinahm que estar no filme, entre eles, um ângulo de amor perdido, que fez Barnabas apaixonar-se pela governanta da família (Bella Heathcote), que parece ser a reencarnação de sua noiva de 1700. E Barnabas também teve de reacender o sua guerra de amor e ódio com a desprezada bruxa Angelique (Eva Green), que o amaldiçoou séculos atrás, para ser um sugador de sangue. Mas, por outro lado, aquela história de sessão da meia-noite focou-se em agregar excentricidades. Por exemplo, Burton sugeriu dar a Barnabas uma articulação extra em cada dedo, para deixar as mãos como garras, e Depp propôs que o vampiro falasse com um tipo de grandiloquência do Velho Mundo que seria constantemente esvaziada pela indiferença cega da América de 1972.

Continua

Tradução e adaptação: Cristina – Equipe Johnny Depp Forever
Não reproduza sem os créditos!

Leave a comment