Johnny Depp Forever
A sua fonte de informações sobre o ator e músico Johnny Depp
Tradução da F*** Magazine – parte II
junho 19, 2013

Leia a primeira parte.

A história de John Christopher Depp é a derradeira história de Hollywood. Criado na Flórida, ele saiu de casa ainda adolescente, dormiu em carros e tocou guitarra na banda The Kids. Atuar foi pouco interessante para ele quando se tornou o astro instantâneo de Anjos da Lei, em 1987. Treze anos de status cult em filmes independentes seguiram, até Piratas do Caribe, de 2003, que lhe deu cacife de bilheteria e uma primeira indicação ao Oscar. Seus filmes arrecadaram, até agora, US$ 6 bilhões nas bilheterias e fizeram dele um dos maiores astros de Hollywood.

Embora Depp não amasse atuar no início de sua carreira, tendo os trabalhos por causa do dinheiro, ele tem aprendido a amar sua profissão. Depp diz, “Atuar é sobre empurrar-se para a beira do fracasso absoluto, até que você pensa: ‘Cara, se isso não funcionar, será muito ruim. E se funcionar, pode ser ótimo’. Quando estou prestes a estourar o meu relógio, eu quero ser capaz de dizer: ‘Deste período especial para este período especial, eu fui sólido e honesto e não houve compromissos. Há sempre a chance de que eu estarei no meu ano. Mas é um risco que vale a pena”.

O ator está feliz com a forma como sua carreira mudou com os filmes Piratas do Caribe. “Eles me deram a oportunidade de fazer todas as coisas que eu queria fazer e trabalhar com todas as pessoas com quem eu queria trabalhar. Ainda é milagroso para mim que eu tenho sido capaz de ficar por aqui todos esses anos. Normalmente, cerca de vinte pessoas viram os meus filmes. A ideia de que um dos meus personagens agora está em um passeio na Disneyland, e que os meus netos vão lá e verão isso, é absolutamente absurda para mim”.

Ainda assim, ele não pensa em si mesmo como um superastro. “Estou chocado com isso”, admite Depp. “Comecei na impressão silk-screen de camisetas . Vendi canetas tinteiro. Trabalhei em construção. Até mesmo trabalhei em um posto de gasolina. Fui um mecânico por um tempo e fui para as tubulações de esgoto. Tive muitas excursões desagradáveis ​​por um tempo. Todo este passeio no cinema tem sido muito surreal”.

Depp é dono de casas em Paris, Sul da França, Los Angeles, e uma ilha de 35 hectares perto de Nassau, nas Bahamas, um “lugar bonito e tranquilo, onde há oportunidade para normalidade, simplicidade”.

Ele libera o estresse ouvindo música, e seu amor por ela é tão forte quanto sempre. Seu tempo livre é gasto assistindo vídeos do YouTube e filmes de Hollywood, lendo, tocando a sua guitarra, e pintando. Ele se descreve como “uma pessoa totalmente caseira”, devido ao fato de que ele raramente sai e quando o faz, “torna-se uma espécie de plano estratégico”. Se ele pudesse andar em qualquer lugar sem ser notado, ele diz que seria “andar com meus filhos e deixá-los experimentar o que eles não conseguem fazer com o papai. A verdade é que quando o papai anda por um parque lotado com eles, as coisas ficam muito estranhas”.

Apesar da seperação de Paradis e seu novo romance com Heard, Depp conseguiu se manter fora dos holofotes. Só recentemente ele e Amber foram fotografados juntos em um show dos Rolling Stones. “Você nunca se acostuma com esse tipo de coisa”, diz ele sobre o interesse público em sua vida privada. “O meu mundo não é de da conta de ninguém”.

Ele, no entanto, percebe a posição privilegiada em que está. “Ao mesmo tempo, há momentos em que você só quer se sentir normal. Mas terei anonimato algum dia”.

Ele falou de aposentadoria, dizendo que “seria bom deixar em algum ponto, parar de atuar e escrever um livro ou pintar ou apenas sentar e babar algum dia”.

Mas não por enquanto. Ele já terminou a interpretação de um cientista da computação na ficção científica Transcendence e, em seguida, interpreta a Raposa no musical Into the Woods, de Rob Marshall. Ele também retornará como o Capitão Jack em um quinto filme Piratas.

“Há sempre mais para explorar no Jack”, ele diz de seu personagem mais duradouro. “Capitão Jack tem um lado bobo, um lado inteligente, um lado estranho. É bom ser tão irreverente quanto possível e ser pago por isso”. Uma risada. “Eu amo tanto o Capitão Jack que eu faria Piratas 7 se me pedissem”.

Tradução e adaptação: Cristina – Equipe Johnny Depp Forever
Não reproduza sem os créditos!

Leave a comment