Johnny Depp Forever
A sua fonte de informações sobre o ator e músico Johnny Depp
Kevin Smith fala sobre trabalhar com Johnny Depp em “Tusk”
setembro 20, 2014

Em conversa com o Spinoff, blog do Comic Book Resources, o diretor de “Tusk”, Kevin Smith, contou como trouxe Johnny Depp para o elenco do filme e como foi trabalhar com ele. Leia a seguir.

Conte-me sobre trabalhar com Johnny Depp – um grande ator e um grande astro do cinema. Você deixa este personagem excêntrico, Guy LaPointe, meio que ir nessa direção maluca, e vocês dois poderiam ter acabado com seu próprio Clouseau.

Sim. Eu o conheço há uma década, através das crianças. As crianças vão para a escola uma com a outra. E um lindo ser humano – falamos de filmes, mas nunca dissemos: “Devemos trabalhar juntos”, porque ele trabalha de uma forma diferente do que eu faço com o material. Mas um bom ser humano bom – ele é um cara muito bom. Então, quando eu terminei de escrever isso – tinha escrito o papel Guy LaPointe em um podcast anterior. Fizemos um episódio em que introduzimos o personagem de Guy LaPointe, e por isso eu o coloquei em Tusk. Quando eu terminei, eu estava tipo, “Tudo bem, quem seria o melhor absoluto?” Eu pensava, se isso não funcionar, nunca ficaria chateado. Eu pensava, “Por que isso funciona? Filme morsa do c******”. Então, olhei para Guy LaPointe quando terminei com o script, e pensava “Tudo bem – dane-se tudo mais. Raspe o dinheiro, negócio – raspe tudo fora. Quem seria o melhor ator para esse papel?”. E pensava “Depp esmagaria isso. Ele esmagaria o falso sotaque de Montreal, Quebec. Tudo isso seria incrível”.

Então, eu o conheço através das crianças, e mandei uma mensagem para ele. Disse, “Cara – oi. Sabe, eu nunca quis ser esse cara, mas vou ser esse cara, cara”. E eu disse: “Estou fazendo um filme, e rapaz, há um papel em que você ficaria ótimo”. E então, eu disse “Antes de desligar o telefone, aqui está o blog que eu escrevi sobre isso” – porque eu tinha escrito sobre isso – “Eu vou fazer este filme morsa. Vou seguir em frente”. Então, ele leu, e depois que comecei a explicar, enquanto eu estava lendo no texto, pensava, “Tem esse cara, Michael Parks, que estava em Red State…” (…) E Johnny escreveu de volta: “Eu amo Michael Parks! Vai acontecer!”. E, assim, nós filmamos 15 dias na Carolina do Norte, e em seguida, três meses depois, nós filmamos dois dias na Califórnia, com Johnny. Todas as coisas do Johnny são de dois dias. Ele é tão bom performer. Fizemos 30 páginas de diálogo em dois dias. Agora, ele está sentado em um só lugar, então você não está fazendo um monte de movimentos de câmera e outras coisas, mas meu senhor, foi divertido. Essa é a coisa. Ele veio para o set – seu trabalho é fácil. Você não dirige nesse dia, porque você apenas certifica-se de coisas como zoom, foco. Aqui vamos nós. Não há nada a fazer. Ele é um gênio. Ele faz tudo. Então ele nos deu uma performance que – nosso orçamento estava abaixo de 3 milhões de dólares – era como um filme de 2,7, 2,8 milhões. Todo mundo tem escala. Este foi um cara que nos deu o mesmo desempenho que ele daria para um filme de 20, 25 milhões, onde ele receberia 20 milhões de dólares. Uma performance de 100 milhões em um filme de merda de baixo orçamento sobre um cara que vira um outro rapaz em uma morsa. E então ele veio para interpretar, e ele se divertiu. Tanto é assim que ele nos emprestou sua filha, e a colocamos no filme. E isso gerou o filme que todos nós estamos trabalhando agora.

Smith também falou sobre “Yoga Hosers”:

(…) E é aí que Yoga Hosers veio. Em primeiro lugar, falei com Vanessa [Paradis], a mãe de Lily-Rose, e foi como, “Você se importa se eu escrever um filme inteiro para as meninas?” E ela disse “Você não pode fazer isso”. E eu disse: “Sim, eu posso fazer qualquer coisa. Eu sou um drogado”. E ela disse, “Se você quiser, vá em frente”. “E eu fiz, e ela gostou. E então falei com ele. Disse, “Cara, não sei como dizer isso, mas acho que tenho uma maneira de você interpretar Guy LaPointe novamente”. E ele adorou interpretar Guy LaPointe, então ele disse, “Oh, estou dentro. Estou dentro!”. Então começamos e seguimos em Yoga Hosers. E foi lindo, cara. Mais uma vez, você tenta não pensar sobre esse homem ser um ícone, o maior de sempre. (…)

“Tusk” estreou nos Estados Unidos ontem, 19. Ainda não há data para lançamento no Brasil.

Leave a comment